Dicas sobre Anatomia e Botânica

Espécies de orquídeas e diferenças entre elas

espécies de orquídeas

Quais são as espécies de orquídeas mais procuradas? E quantas espécies de orquídeas existem?

Se você já se perguntou isso, é porque já sabe que as Phalaenopsis, nossa especialidade no sítio Kolibri, não são as únicas orquídeas que existem. Na verdade, a família Orchidaceae, que reúne todas as plantas classificadas com o nome de orquídea, é a maior família de plantas angiospermas (aquelas que dão flores) do mundo. Segundo o World Checklist of Selected Plant Families, existem 26.567 espécies de orquídeas listadas. Muitas, não?

É claro que, com tantas espécies diferentes, é quase impossível conhecer todas elas. E algumas podem ser muito raras. Por isso, decidimos listar as espécies de orquídeas mais comuns em jardins, para que você possa conhecer um pouco sobre elas.

 

Phalaenopsis

espécies de orquídeas - Phalaenopsis

É claro que não poderíamos começar com outro tipo! As Phalaenopsis se destacam por encantar aos olhos de todos os gostos e preferências. O formato de borboleta fez com que elas ganhassem muita atenção como plantas ornamentais. É por isso elas se tornaram as orquídeas mais populares, admiradas até mesmo por quem pouco entende de plantas e flores. As Phalaenopsis se destacam, acima de tudo, por se adequarem facilmente a ambientes fechados, como salas de estar, desde que recebam iluminação solar em abundância. Elas também ganharam o gosto do público por exigirem cuidados razoavelmente simples, ao contrário das necessidades complicadas de muitas outras orquídeas ornamentais.

 

Orquídea Brassia Verrucosa

espécies de orquídeas - Brassia Verrucosa

Facilmente identificada pelas pétalas finas que lembram um grande aracnídeo, a Brassia Verrucosa surgiu na América Central, prefere climas mais quentes e precisa ser criada na meia-sombra.

 

Orquídea Chuva de Ouro

espécies de orquídeas - Chuva de Ouro

Geralmente de coloração amarela com variações em branco, rosa e alaranjado, esta planta é cultivada com facilidade, desde que receba a quantidade certa de sol. Costuma ter floração perene.

 

Orquídea Mini-chocolate

espécies de orquídeas - Mini-chocolate

Famosa por ter pétalas com cor de chocolate, esta espécie pode até tomar um pouco de sol direto, mas deve ser colocada na sombra nos momentos em que o sol é mais forte.

 

Orquídea Brasileira Maxilaria

espécies de orquídeas - Brasileira Maxilaria

Conhecida pelos detalhes das manchas que geralmente estão em todas as pétalas, esta espécie é originária do território brasileiro.

 

Orquídea Olho-de-boneca

espécies de orquídeas - Olho de boneca

Originária da China, Índia e Malásia, a “olho-de-boneca” exige uma quantidade muito específica de sol, demandando um certo esforço de onde se deve colocar o vaso. Destacam-se pelas cores fortes que apresenta.

 

Orquídea Cattleya Intermedia

espécies de orquídeas - Cattleya Intermedia

Popular e resistente a amplas variações de temperatura, a Cattleya exige um cuidado grande com o tempo de exposição ao sol: em excesso, pode queimar, mas mesmo assim exige muita luminosidade, podendo tomar sol direto pela manhã.

 

Orquídea Rodriguezia

espécies de orquídeas - Rodriguezia

Famosa pelo tamanho pequeno e pelas manchas que apresenta em suas pétalas , esta espécie demanda 60% de sombra e exige adubação ou reposição de nutrientes após a florada, comum no outono ou inverno.

 

Orquídea Cimbido

espécies de orquídeas - Cimbido

Também comum nos jardins, esta espécie de orquídea não consegue dar flores em climas muito quentes, mas se destaca por ter conquistado uma certa popularidade.

Orquídeas Phalaenopsis: família, classificação e anatomia

Consideradas as mais delicadas entre todos os gêneros de orquídeas (o que significa que ainda são divididas em diferentes espécies), as Phalaenopsis se originaram em países do sudeste asiático – Tailândia, Filipinas, Indonésia, Malásia – além do sul da China, Taiwan, Nova Guiné, entre outros países próximos.

O termo Phalaenopsis se origina das palavras gregas Phálaina, que significa mariposa, e Opsis, que significa “parecido”. Ou seja, elas são chamadas assim porque fazem lembrar uma mariposa em pleno voo, criando uma imagem bela e delicada.

Para conhecer ainda mais sobre as orquídeas phalaenopsis, é importante conhecer um pouco mais sobre a família, classificação e a anatomia desta planta que tanto amamos.

 

Família:

Como já era de se esperar a família de plantas à qual pertencem as phalaenopsis é a Orchidaceae, ou simplesmente Orquídeas. Considerada uma das maiores famílias de plantas, com inúmeras variações de subfamílias, tribos e gêneros, as orquídeas são encontradas na natureza em todos os continentes do planeta (exceto a Antártida). Ao longo dos anos, todas elas foram ganhando destaque para uso ornamental devido às variações de cores, aromas e formatos nos quais se apresentam.

O único uso não ornamental encontrado em uma orquídea ocorre no gênero Vanilla, da qual se extraem pequenas vagens que dão origem a uma especiaria aromática que chamamos de Baunilha.

No total, foram calculadas cerca de 25 mil diferentes espécies da família das orquídeas, o que torna esta família a maior de todas as famílias botânicas.

 

Classificação:

As Phalaenopsis podem ser classificadas em dois grupos diferentes que chamamos de Padrão e Miniatura.

As Phalaenopsis padrão se caracterizam por possuírem caules longos e ramificados, que podem chegar a até 1 metro de altura. As flores são arredondadas e possuem tons de rosa ou branco.

Enquanto isso, as Phalaenopsis miniatura possuem caules curtos, que não passam dos 30 centímetros. As flores são menos arredondadas e mais cerosas, além de cores mais pronunciadas.

Os dois tipos de Phalaenopsis são considerados plantas epífitas, ou seja, aquelas que na natureza podem se localizar em cima de outras plantas ou árvores, mas sem afetar ou causar danos ao hospedeiro – ao contrário das plantas e animais tidos como parasitas.

 

Anatomia:

As orquídeas Phalaenopsis são consideradas Monopodiais. Isso significa que um único rizoma, oriundo de uma única “fonte” da raiz, possibilita o crescimento de diversos caules capazes de gerar flores – outros gêneros costumam ser simpodiais, que geral diferentes pontos de raízes, que por si gerarão um só caule.

Confira as partes que integram as orquídeas Phalaenopsis:

 

– Raiz: fixa a planta ao substrato e é responsável por absorver os nutrientes necessários.

– Caule principal: um único caule que se origina da raiz, e que abre espaço para o surgimento de novas hastes sempre que for florescer novamente.

– Haste: é a “casa da flor”, que surge a partir do caule.

– Raiz aérea:outro tipo de raiz que absorve umidade e nutrientes do ar.

– Folha: também responsável pela “respiração” e alimentação da planta, as folhas das Phalaenopsis possuem furos minúsculos chamados de estômatos, e que são os responsáveis por manter a planta “respirando” e absorvendo energia da luminosidade solar.

– Cápsula ou botão: a flor em seus estágios iniciais de desenvolvimento.

– Flor: o verdadeiro motivo pelo qual cultivamos a planta, a flor de uma Phalaenopsis (e da maioria dos gêneros de orquídeas) pode ser dividida em diferentes partes. Algumas são muito fáceis de identificas:

  • Sépala Dorsal: a “pétala” apontada para cima.
  • Pétalas: as “asas da mariposa”.
  • Sépalas Laterais: semelhantes à sépala dorsal, mas voltadas para baixo.
  • Labelo: parte da flor que forma um arco

 

Pronto. Agora você conhece muito mais sobre as orquídeas Phalaenopsis.