Posts com a tag orquídea

6 cuidados básicos para cuidar bem da sua orquídea

É muito comum recebermos dúvidas sobre os cuidados básicos das orquídeas. Afinal, muita gente não tem o hábito de cuidar de plantas, mas depois de um aniversário ou até mesmo o dia das mães, por exemplo, é normal que as pessoas se vejam com uma planta nova para cuidar, e acabam precisando aprender, de forma simples e rápida, como cuidar de uma orquídea.

Pensando nisso, decidimos listar 6 cuidados básicos necessários para manter uma orquídea bonita e saudável. Imagine que, daqui a algum tempo, você vai receber novamente a visita de quem te deu a orquídea de presente. Seria muito gratificante mostrar que você cuidou bem da planta. Agora, imagine o contrário: se a planta definha, você corre o risco de pagar mico diante do convidado.

 

Por isso, confira os cuidados básicos para orquídeas em um guia simples e rápido:

 

1) Cuidados básicos com iluminação:

Muita gente comete o erro de colocar as orquídeas no sol. Mas quando entendemos que, na natureza, elas estão sempre abaixo das copas das árvores, podemos compreender que elas precisam estar em um local iluminado, porém sem luz solar direta. A Phalaenopsis também gosta luz artificial, desde que também haja iluminação indireta do sol.

 

 

2) Cuidados básicos com a rega:

Um dos grandes segredos para regar orquídeas é colocando 3 pedras de gelo no vaso, abaixo das folhas, uma vez por semana. Essa frequência pode ser um pouco maior no verão, e ser feita a cada quatro dias. O importante é que as pedras de gelo, além de manterem uma temperatura amena, gotejam a água e permitem uma absorção mais lenta, sem acumular água no vaso – isso seria mortal para elas! Caso não queira colocar gelo, você pode regar, mas sempre deixando a água escorrer, sem jamais acumular na parte de baixo das raízes.

 

3) Cuidados básicos com temperatura:

As orquídeas, especialmente as Phalaenopsis, gostam dos ambientes mais frescos e com boa ventilação. Aliás, elas são muito sensíveis ao sol direto e sequer conseguem se recuperar dos danos do sol: se for em excesso, as folhas vão sofrer queimaduras e cair.

 

4) Cuidados básicos com o corte das hastes:

Depois que as flores caem, é importante cortar as hastes que ficam secas. Caso não fiquem secas, não é necessário cortar – e provavelmente haverá uma nova florada. Você pode cortar a haste em sua base, deixando apenas 2 cm dela. Outra opção é cortar a haste logo acima da terceira gema (aquele “nó” que se forma) e com isso surgirá uma nova florada ou, talvez, uma nova muda.

5) Cuidados básicos para adubar as orquídeas:

Deve-se utilizar os adubos encontrados nas lojas especializadas com os nomes 10:10:10 ou 20:20:20. Isso significa que eles possuem as mesmas quantidades de nutrientes diferentes. Aplique o produto  uma vez por mês, e procure não adubar em época de floração.

6) Cuidados básicos com as raízes:

Quando as raízes estão bem hidratadas, elas apresentam uma coloração verde. Se estiverem brancas ou cinzentas, significa que precisam de água: se for o caso, coloque em uma bacia de água por dois minutos e depois retire, permitindo que a água escorra. Já as raízes cinzas e moles simbolizam excesso de rega. Muitas vezes, elas cheiram a mofo. O ideal é deixar sem rega nenhuma por cerca de 10 dias.

Ruas floridas com orquídeas: transforme seu bairro!

Quem passa pelo Leblon e por Ipanema, no Rio de Janeiro, certamente se surpreende com as  ruas floridas que encontra: orquídeas e mais orquídeas embelezam as árvores da vizinhança.

A iniciativa das ruas floridas, que deixa a Cidade Maravilhosa ainda mais maravilhosa, foi de moradores, comerciantes e funcionários dos condomínios. Um dos fatores que permitem espalhar orquídeas pelas árvores já presentes na vizinhança é o fato de que as flores nunca atrapalham o crescimento das árvores: são plantas epífitas.

No entanto, ainda são poucas as cidades que aceitaram o desafio de serem embelezadas. E quem pode mudar isso é você! Mas como fazer para espalhar orquídeas pelas árvores da cidade?

Confira algumas dicas para deixar as ruas floridas e fazer o Leblon inspirar seu bairro:

 

1- Procure pelos locais e árvores que ofereçam bastante sombra. Orquídeas não gostam nada do sol direto, e se isso acontecer, elas podem morrer ou nunca florescer de verdade. Por isso, opte por árvores de copas amplas e grandes, ou por árvores em locais mais encobertos pelos muros da cidade.

 

2- Prefira as Phalaenopsis! Aqui no Sítio Kolibri somos um pouco suspeitos, mas o fato é que esta é uma das espécies que mais florescem: quando bem cuidadas, podem florescer duas vezes ao ano. Elas ainda são populares e estão entre as mais belas opções de orquídeas.

 

3- Dê preferência para amarrar as plantas com barbantes. Evite deixar as orquídeas em vasos de plástico: elas vão se fixar ao tronco apenas se estiverem fixadas de forma mais livre, além de não ser muito ecológico! Algumas pessoas preferem utilizar bolsas de juta ou placas de fibra: elas podem ficar bonitas, mas não são obrigatórias!

 

4- Observe sempre! Procure ficar de olho nas orquídeas, leve água e marque os locais onde as colocou. Assim você poderá acompanhar o crescimento delas, regar e acrescentar fertilizantes conforme a necessidade.

 

Desta forma, você colabora com sua cidade e seu bairro não apenas de forma estética, mas também por meio de elementos inclusivos. Ao verem flores pelo caminho, os transeuntes e até mesmo os motoristas passam a sentir mais a vivência da cidade e dos lugares públicos. Dessa forma, além de as flores colorirem o dia a dia cinza das cidades cada vez mais artificiais e cheias de concreto, elas também permitem que as pessoas enxerguem os lugares públicos como espaços de convivência, em vez de apenas ambientes utilizados para ir e vir, promovendo maior integração entre as pessoas. As cidades foram criadas para que as pessoas pudessem conviver, e não para que dividam o espaço. E as orquídeas podem ser verdadeiros catalisadores de uma vida mais harmoniosa.

Substrato para Orquídeas: Carvão, Chips de Fibra de Coco ou Musgo, qual é melhor?

Se formos pensar o que é o melhor substrato para orquídeas, podemos levar em consideração que precisam de umidade na medida certa, mas também espaço para arejar e nutrientes para crescer forte e dar flores lindas, certo?

 

Então, para isso, sua escolha não tem que ser carvão ou fibra de coco, ou musgo, e sim uma combinação dentre os nove tipos possíveis de substratos. Um alinhamento entre dois ou três tipos deles já é suficiente para que as orquídeas consigam ter consagrado o seu “mundinho ideal”.

Confira os principais substratos para orquídeas:

 

Fibra de coco:

Processados e comercializados por empresas;

– Precisam ter passado por processos de dessalinização e esterilização, pois suas fibras salinas podem necrosar as raízes.

– Duração de 2 anos

– Usar puro ou com outro substrato;

– Secagem da rega em tempo moderado;

 

Musgo:

– Retirado dos leitos dos rios o que causa impacto ambiental e pode causar extinção;

– Utilizar somente de empresas que cultivam o musgo;

– Estimula o enraizamento, por esse motivo é muito usado em plantas novas que precisam de cuidados especiais

– Indicação é misturar com outros substratos para equilibrar a umidade evitando o apodrecimento da raíz;

– Secagem da rega em tempo moderado

 

Carvão vegetal:

– Proveniente da carbonização de madeira;

– Ótimo substrato para principalmente locais úmidos;

– Aerado o que facilita a drenagem da rega;

– Bactericida natural e repelente de pragas como lesma;

– Por ser excelente na drenagem é recomendado usá-lo acompanhado de outro substrato que retenha água;

– Precisa ser lavado uma vez por mês por ficar impregnado com o sal das adubações;

– Duração de 2 a 3 anos.

 

Casca de pinus:

– É o substrato mais usado;

– Mistura-se normalmente com outro para melhor aeração;

– Ele ajuda a manter umidade e adubação por um período de tempo;

– Precisa se deixado de molho e ir trocando sua água, até que fique cristalina, antes de utilizar. Possui tanino que é prejudicial para as raízes;

– Ao final do processo de limpeza da casca deixar de molho em água sanitária para matar fungos e bactérias, somente ai lavar e utilizar.

 

Casca de árvores:

– É um substrato que pode ser usado como vaso;

– Comumente utilizado dentro de cachepôs ou vasos de barro;

– Saiba antes de usar a quantidade de tanino da casca e se necessário faça a limpeza.

 

Escolha o substrato para orquídeas que fizer mais sentido para você e for mais fácil de encontrar.