Vírus: o grande vilão invisível da sua orquídea

Você sabia que os maiores vilões das orquídeas Phalaenopsis são os vírus? Exatamente. Essa palavrinha que vem sendo usada no nosso dia a dia para se referir a um vilão do ser humano também pode ser um vilão da sua orquídea! Mas antes de entender sobre isso, vamos entender um pouco mais sobre algumas infecções que podem acometer as suas plantas favoritas!

 

Um pouco sobre as principais doenças das Phalaenopsis:

Você sabia que a maioria das doenças que podem ocorrer nas Phalaenopsis são causadas por fungos, bactérias e insetos? Isso sem contar com problemas causados no processo de reenvasamento, excesso de fertilizantes e queimadura de folhas.

Um dos principais motivos para bactérias e fungos se desenvolverem está na falta de ventilação ou nas temperaturas inadequadas. É por isso que um local bem ventilado e uma rega adequada (sem excessos ou falta) são capazes de evitar muitos problemas.

 

O vírus das orquídeas

Diferente das doenças causadas por fungos e outras pestes, as doenças causadas por vírus nas Phalaenopsis infelizmente não têm cura. É por isso que eles são o terror dos criadores e amantes de orquídeas.

O que transmite vírus para as orquídeas são geralmente as pestes comuns, como pulgões e ácaros, mas também podem chegar nelas pelo contato direto com outras plantas ou até mesmo em caso de serem regadas com água contaminada. Elas também podem vir do corte de objetos infectados: é por isso que sempre indicamos o uso de tesouras esterilizadas para cortar as hastes, por exemplo!

 

Tipos de vírus e sintomas

Os principais vírus causadores de doenças nas orquídeas são o CyMV (Cymbidium Mosaic Virus), CMV (Cucumber Mosaic Virus) e o OFV (Orchid Fleck Virus). Os sintomas de todos eles costumam ser os seguintes: cor verde desbotada com padrão de mosaico ou anel, mesófilo oco e enegrecido (quando as manchas se tornam “buraquinhos escuros”), e manchas necróticas (quando são muito escuras).

O grande problema é que fica difícil identificar uma doença viral na orquídea, já que elas podem apresentar os mesmos sintomas em casos de fungos ou outros problemas, e algumas dessas manchas podem ser efeito simples da troca de folhas, ou seja, podem não representar doença nenhuma. O segredo é ficar de olho para ver se as manchas e outros sintomas não estão se alastrando muito rapidamente pela planta.

 

Como evitar

Infelizmente é difícil evitar completamente que um vírus se instale na sua orquídea. Utilizar equipamentos limpos e tesouras esterilizadas é a melhor forma.

No entanto, existe uma forma importante de evitar que um vírus se alastre por muitas plantas: afastando-as umas das outras. Afinal, se as suas orquídeas ficam aglutinadas, uma que estiver com doenças virais pode passar à outra. Por isso, o segredo é manter as orquídeas afastadas. Se não for totalmente possível, procure separar pelo menos aquelas que apresentarem problemas que possam ser sintomas de uma doença. Com isso, você evita perder todas as suas plantinhas!